CAT – Colégio Angolano de Talatona

Regulamento dos Quadros de Honra e de Excelência

A Direcção do Colégio Angolano de Talatona decidiu criar os Quadros de Honra e de Excelência tendo em vista promover os objectivos e as opções educativas de carácter geral que constam no seu Regulamento Interno, atendendo também às dimensões académica e humana que o mesmo Regulamento visa desenvolver nos seus alunos, em colaboração com as respectivas famílias. 

Neste sentido, os Quadros de Honra e de Excelência são organizados por Classes e destinam-se a tornar patente o reconhecimento de aptidões e atitudes dos alunos do Ensino Primário, do Ensino Secundário e do IGCSE, que tenham evidenciado valor e excelência nos domínios cognitivo, cultural, pessoal ou social, bem como atribuir prémios, em casos específicos e excepcionais. 

Pretende-se, com estes Quadros, assinalar a progressão dos alunos, a construção de cada etapa lectiva, valorizando tanto as atitudes quanto os resultados – não descurando, contudo, a excelência académica como objectivo essencial na caminhada escolar – reconhecendo e incentivando nos alunos o esforço para se superarem cada vez mais, conseguindo sempre melhores resultados. 

Ao longo do ano lectivo, promove-se um processo de indicação dos alunos que merecem integrar o Quadro de Honra, a partir da 3.ª Classe, inclusive. As nomeações apresentam-se no fim de cada Trimestre, podendo os mesmos alunos constar da lista de nomeados para o Quadro de Honra ao longo de todo o ano lectivo. 

Assim, em conformidade com o acima enunciado, estabelece-se o seguinte:

QUADRO DE HONRA

Do Quadro de Honra farão parte os alunos que, no final de cada Trimestre, obtenham excelentes resultados escolares no domínio curricular.

I. Critérios de Proposta 

São considerados Critérios de Proposta, relativos à dimensão académica, os seguintes:

  1. Na Monodocência do Ensino Primário (3.ª e 4.ª Classes), média de 9 valores arredondada às unidades nas disciplinas curriculares e não apresentação de qualquer classificação inferior a 6 valores arredondados às unidades. 
  2. Na Pluridocência do Ensino Primário (5.ª e 6.ª Classes), média de 8 valores arredondada às unidades nas disciplinas curriculares e nas áreas disciplinares não curriculares e não apresentação de qualquer classificação inferior a 5 valores arredondados às unidades. 
  3. Nas Classes de Transição Automática do Ensino Primário (3.ª e 5.ª Classes), as classificações qualitativas deverão ser convertidas em quantitativas para efeito de apuramento de classificações no âmbito do Quadro de Honra. 
  4. No Ensino Secundário, média de 17 valores arredondada às unidades, no conjunto das disciplinas, e nenhuma classificação inferior a 10 valores, arredondados às unidades. 
  5. Nas turmas de IGCSE, média de ‘A’ e não apresentação de qualquer classificação inferior a ‘C’. 
  6. Comportamento considerado Bom ou Muito Bom pelo respectivo Conselho de Turma / Conselho de Classe.
  7. Ausência plena de qualquer alusão a problemas de índole disciplinar (dentro e fora da sala de aula). 
  8. Na Pluridocência, comportamento não inferior a Bom nas áreas disciplinares não curriculares. 

II. Proponentes 

Os Conselhos de Turma/ Conselhos de Classe apresentam e fundamentam as propostas respectivas. 

III. Prazos

No final de cada Trimestre, concluídas as reuniões de Conselho de Turma/Conselho de Classe, serão propostos à Direcção os nomes dos alunos que preencham as condições acima referidas. 

IV. Órgão de decisão 

Cabe à Direcção Pedagógica analisar, aprovar as propostas e determinar a publicação das listas e dos elementos que constituem o Quadro, pelos meios que considerar mais adequados.

 

QUADRO DE EXCELÊNCIA

I. Critérios de proposta

Os alunos com a melhor média final, no máximo de 2 por Classe, que tenham figurado no Quadro de Honra em pelo menos dois Trimestres. Nas Classes de Exame, o apuramento das médias finais deverá ser feito observando os resultados dos Exames e não apenas a C.A.P. . 

II. Proponentes

Os Conselhos de Turma/ Conselhos de Classe apresentam e fundamentam as propostas respectivas. Em caso de empate, o(s) Director(es) de Turma/Professor(es) Titular(es) de Turma poderá(ão) considerar a conveniência de propor que se exceda o limite de 2 alunos anteriormente referido. 

III. Processo de decisão 

Cabe à Direcção Pedagógica analisar, aprovar as propostas e determinar a publicação das listas e dos elementos que constituem o Quadro, pelos meios que considerar mais adequados. 

Luanda, Abril de 2019